Sobre acessibilidade

Áreas

07/08/2017 - 15:00

O Governo do Estado, por meio da Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará), realizou neste sábado (5), no município de Cachoeira do Arari, o pré-lançamento da Campanha de Vacinação contra a Febre Aftosa – Etapa Marajó. O momento ocorreu durante a programação do Marajó Búfalos, que reúne o setor produtivo do Arquipélago do Marajó. O pré-lançamento objetivou reforçar a parceria da Adepará com os produtores rurais, cuja participação é fundamental para uma boa cobertura de vacinação do rebanho de bubalinos e bovinos.

 

A Campanha de Vacinação contra a Febre Aftosa inicia no dia 15 de agosto e segue até o dia 15 de outubro. O produtor rural é o responsável pela vacinação de seu rebanho, devendo adquirir a vacina, dentro do prazo regulamentar da etapa, em uma revenda cadastrada pela Adepará e, ir ao escritório da Agência comprovar a vacinação até o dia 30 de outubro.

Este ano, a campanha vai ter duração de 60 dias devido as especificidades da região do Marajó. “Todo ano tínhamos que pedir a prorrogação da Campanha ao Ministério, pois os produtores rurais tinham dificuldade de realizar a vacinação no prazo, devido as cheias em determinadas partes da região, que impedia a realização da vacinação do rebanho”, explica o diretor de defesa e inspeção animal da Adepará, Jefferson Oliveira.

Em 2016, a Adepará teve uma cobertura vacinal na etapa do Marajó de 97%. Em 2017, a meta é imunizar mais de 500 mil animais. “Temos que manter o rebanho paraense livre da aftosa para valorizar a qualidade do produto do nosso estado e abrir novos mercados, gerando emprego e renda para a população”, ressalta o diretor geral da Adepará, Luiz Pinto. O objetivo é que até 2023 o Brasil possa retirar a vacinação contra a febre aftosa de todos os estados brasileiros. “É um desafio que está posto para os estados, e o Pará está pronto para chegar ao status de livre da aftosa sem vacinação. A Adepará está empenhada em alcançar esse objetivo”, completou o diretor.

Marajó

O potencial turístico, cultural, produtivo e econômico proporcionado pela pecuária bubalina no arquipélago do Marajó foi o foco da segunda edição do Marajó Búfalos e XII Encontro Brasileiro dos Criadores de Búfalos, que contou com o apoio da Adepará. O encontro reuniu cerca de 1.500 pessoas entre pecuaristas de todo Brasil, empresários, criadores de búfalos, entidades de pesquisa, estudantes, técnicos e interessados no setor.

O gerente regional da Adepará em Soure, Alacid Filho, ministrou palestra durante a programação do evento e ressaltou a importância da parceria entre produtores rurais e a Adepará. “A Agência foi criada não apenas para fiscalizar, mas principalmente para dar credibilidade aos produtos artesanais, como por exemplo, o queijo do Marajó, que hoje em dia já está sendo vendido nos supermercados de Belém”, disse.

Segundo o diretor de defesa e inspeção animal, Jefferson Oliveira, para se chegar ao cadastro de indústrias para produção de queijo do Marajó, foi criado em conjunto as normas de produção entre produtores, fiscalizadores e fomentadores. “Atualmente temos seis indústrias cadastradas no artesanal do queijo, somente na região do Marajó. Isso é um avanço, e temos que expandir cada vez mais. Para isso, é fundamental o trabalho em conjunto, e a Adepará está aqui para apoiar os produtores”, destacou.